Reduzir Riscos

Segurança pessoal

Encontra aqui algumas estratégias para lidares com as diferentes situações de risco que podem surgir no Trabalho Sexual. Reduzir riscos nesta atividade não está só relacionado com prevenir infeções. A tua saúde física e mental depende das tuas condições de trabalho.

Índice

Rua ou Apartamento?

TodXs Xs trabalhadorXs do sexo têm o direito de se sentirem segurXs no trabalho. Uma vez que o Trabalho Sexual não é reconhecido como profissão em Portugal, Xs seus/suas profissionais podem estar mais expostXs a atos de violência.
Acreditamos que a violência não tem de fazer parte do teu trabalho. Por essa razão consideramos importante abordar algumas estratégias que podes adotar para reduzir os riscos de violência no teu trabalho, seja este prestado em contextos de interior (apartamentos, hotéis, …) ou na rua. Se passares por alguma situação de violência não hesites em procurar auxílio que garanta a tua segurança e que te ajude a denunciar a situação pela qual passaste.

Intuição, assertividade, limites e como agir num momento de violência

Qualquer cliente pode tornar-se violentX em algum momento. Mesmo que X conheças há bastante tempo nunca deves baixar a tua guarda. É importante que demonstres que estás no controlo das situações, fazendo da forma mais politicamente correta, assertiva e agradável possível.

  • Trata X teu/tua cliente com o máximo respeito, mas não permitas que ultrapasse os limites que tu impuseste desde o momento da negociação do serviço sexual a ser prestado. Negoceia o serviço sexual e o valor correspondente antes de aceitares o trabalho.
  • Não atendas clientes que te pareçam demasiado embriagadXs ou sob o efeito de outras drogas. Isso pode aumentar a tensão entre vocês.
  • Se o combinado foi prestares o serviço sexual apenas a umX cliente, antes de entrares numa casa, quarto ou carro tenta perceber se elX está efetivamente sozinhX.
  • Se houver algum objeto que consideres estranho ou que possa ser usado contra ti, podes sempre colocar uma peça de roupa sobre o mesmo.
  • Diz ao/à cliente se elX está a sair dos limites. Está atentX se elX parece gostar de te fazer sentir desconfortável, se te tenta bloquear a saída, agarrar-te e puxar-te para elX.
  • Segue os teus instintos. Se a tua intuição diz que estás a ser pressionadX a fazer o que não queres, confia nesse feeling e pára o trabalho. Avisa-X de que está a ultrapassar esses limites. Caso continue a insistir fazer alguma coisa que tu não queres fazer, o melhor será parares o trabalho. Se puderes deixa o dinheiro para trás, podes inventar uma desculpa para ires embora mais cedo do que o previsto e, caso não resulte, apenas sai.
  • Se X cliente se torna efetivamente violentX, fugir é a melhor opção. Não tentes mudar a situação porque será em vão. Faz o máximo barulho possível para atrair atenção, como gritar “fogo” por exemplo. Se tiveres um assobio contigo usa-o no ouvido delX e corre.
  • Partilha com outrXs trabalhadorXs do sexo, equipas de apoio a trabalhadorXs do sexo e polícia a má experiência que tiveste e o máximo de dados descritivos possíveis dX cliente para que possam estar alerta. Em conjunto podem criar uma lista de maus clientes.

Cuidados com roupa e adereços

Não uses nada que possa ser usado contra ti:

  • Peças de roupa que te dificultem a corrida (como saias demasiado curtas ou demasiado compridas, saltos altos, entre outros).
  • Cabelo solto caso seja comprido (podes prendê-lo ou usar uma peruca).
  • Brincos grandes, colares grossos, lenços ou xailes em torno do pescoço.
  • Algemas verdadeiras.
  • Objetos para te defenderes de um ataque que possam ser usados contra ti (por exemplo, uma faca ou outros objetos cortantes).

Índice

Dicas de segurança para quando trabalhas em apartamentos

  • Se X cliente visita o teu apartamento não lhe forneças o endereço completo logo no primeiro contacto. Dá-lhe um ponto de referência e depois guia o percurso delX até chegar a ti.
  • Podes ter um sistema de vigilância montado, com câmaras e alarme, e dar a entender ao/à cliente isso mesmo, para que perceba que está a ser vigiadX.
  • O ideal seria teres sempre alguém da tua confiança no teu apartamento quando recebesses algumX cliente. Se isso não for possível, dá a entender que existe mais alguém na casa. Podes deixar uma televisão ligada noutra divisão da casa para parecer mais real.
  • Deixa sempre um telefone/telemóvel noutra divisão para onde possas fugir caso alguma coisa não corra como desejado e contactar as autoridades.
  • Não deixes chaves nos armários e nas portas para que não corras o risco de seres trancadX em alguma divisão.
  • Combina com X teu/tua colega de casa um tempo máximo para atenderes umX cliente e sinais de emergência.

Dicas de segurança para quando fazes deslocações

  • Tenta sempre ser tu a escolher o hotel/motel.
  • Sempre que fazes uma deslocação deixa o máximo de informações possível com alguém da tua confiança e a tua localização através de aplicações como o whatsapp. Se não tens ninguém em quem confies para passares essas informações deixa anotado num papel em casa para que alguém encontre se te for procurar.
  • Se a deslocação for para um hotel/motel, pede o nome dX cliente e o nome do local para onde será feita a deslocação. Avisa X cliente de que irás confirmar a reserva do quarto e que irás deixar essas informações com alguém da tua confiança.
  • Se vais a casa de umX cliente, antes de entrares tenta perceber se à volta existe algum local com câmaras que possam captar a tua entrada na casa. Isso pode servir de prova a teu favor caso alguma coisa não corra bem.
  • Quando entrares na casa dX cliente, atenta a pormenores como a existência de janelas por onde possas fugir, se há algum telefone que possas utilizar para fazer uma chamada de emergência, entre outros que possam servir para a tua segurança.

Dicas de segurança para quando trabalhas na rua

  • Antes de ires para o teu local de trabalho confirma sempre se tens o material preventivo suficiente para o tempo que vais estar a trabalhar.
  • Tenta fazer-te acompanhar de outros objetos além do material preventivo, como, uma lanterna para veres Xs clientes, um alarme pessoal, um apito e um telemóvel com saldo e marcação rápida para um contacto da tua confiança, caso seja necessário pedir auxílio.
  • Tenta não trabalhar num local onde estejas sozinhX. Além disso, é importante que te coloques numa posição em que seja impossível alguém te atacar pelas costas. Podes sempre optar por trabalhar numa rua onde exista um café/bar com pessoas da tua confiança ou uma rua onde há espaços destinados a trabalhadorXs do sexo abertos nessa altura.
  • Antes de entrares em qualquer carro: negoceia o serviço sexual que será prestado; verifica se está mais alguém lá dentro; verifica se existe algum objeto estranho que possa ser usado contra ti e onde se destrancam as portas; observa bem X cliente, deixa-X falar, para tentares perceber que tipo de pessoa é e as suas intenções.
  • Aponta a marca, modelo, matrícula do veículo, assim como outras características que possam ajudar a identificá-lo facilmente – cor, existência de amolgadelas ou riscos; aponta algumas características que possam, também, descrever x teu/tua cliente – cor de cabelo, olhos, presença de cicatrizes, entre outras; deixa estas informações com alguém da tua confiança. Se estás a trabalhar num local com outrXs trabalhadorXs podem apontar essas informações acerca dXs clientes umXs dXs outrXs.
  • Deixa as tuas impressões digitais fora e dentro do carro. Uma boa estratégia é passares as mãos debaixo do banco e/ou até deixares lá uma pastilha elástica colada. Quase ninguém lembrar-se-ia de limpar debaixo do banco.
  • Combina com Xs teus/tuas colegas de trabalho um tempo máximo de chegada de um serviço para que possam avisar a polícia.

Antidepressivos e Ansiolíticos

Os principais organismos de saúde salientam que a abordagem de primeira linha a perturbações como a ansiedade e a depressão deva ser o apoio psicológico por parte de umX profissional com competências para isso. No entanto, continuamos a assistir à toma de antidepressivos e ansiolíticos indiscriminada e, muitas vezes, num registo de automedicação, o que ainda torna o cenário mais perigoso.

Qualquer atividade profissional pode prejudicar a tua saúde mental, por variadíssimas razões. O Trabalho Sexual não é exceção. Aliás, o preconceito e a discriminação que, muitas vezes, Xs trabalhadorXs do sexo experienciam afetam a sua saúde mental, pelo que é necessário tomar bastante atenção aos primeiros sinais e agir o quanto antes. Se te sentires ansiosX ou deprimidX a melhor opção será procurares a ajuda de umX profissional que te possa prestar o apoio necessário. A maior parte das equipas que dá apoio a trabalhadorXs do sexo também disponibiliza apoio psicológico.

Alguns sinais de cansaço emocional no teu trabalho

  • Dificuldade em dormir.
  • Mau humor e irritação com toda a gente, especialmente com Xs clientes.
  • Não suportar o toque dXs clientes.
  • Necessidade de recompensar a ida para o trabalho, como, por exemplo, com a compra de alguma coisa que gostes (roupa, cremes, perfumes, etc.).
  • Dificuldade em gerir o estado emocional.
  • Adoção de comportamentos autodestrutivos.
  • Sensação de depressão, frustração e baixa autoestima.

Algumas estratégias para lidar com o cansaço emocional no teu trabalho

  • Limita os teus horários. Faz horas extra apenas se te sentires bem para o fazer. Coloca-te sempre em primeiro lugar. Horas extra e/ou períodos muito grandes de trabalho nem sempre são sinónimos de mais dinheiro, especialmente se estás cansadX e realmente queres estar noutro lugar qualquer.
  • Tira folgas e férias, tal como Xs profissionais de outras atividades.
  • Cria uma poupança. Protegermos a nossa saúde mental é uma tarefa difícil. Mais difícil ainda é não termos a capacidade para tirar uma pausa muito necessária. Faz uma estimativa da percentagem que podes tirar por mês para um fundo poupança, e tenta regrar-te todos os meses para acrescentares esse valor. Assim, caso tenhas uma emergência ou quando quiseres tirar férias já consegues parar de trabalhar durante algum tempo sem preocupações adicionais.
  • Cuida do teu corpo com investimentos de qualidade como massagens, comer bem (comida de qualidade), usar produtos de qualidade para o teu cabelo e para a tua pele. Faz exercício físico, entra num ginásio, faz aulas de yoga ou pilates, opta por uma arte marcial, tens imensas opções. Também podes optar por umas caminhadas ou corridas, caso não queiras gastar dinheiro nessas atividades.
  • Expande a tua mente. Faz coisas para além do trabalho que ajudem no teu desenvolvimento pessoal e profissional. Tira um curso, lê bons livros, arranja um ou mais hobbies. Tu não és apenas trabalhadorX do sexo, tens muitas outras dimensões na tua vida às quais deves dar reconhecimento e investir para que se desenvolvam. Podes espreitar a nossa secção Emprego e Formação.
  • Cuida do teu interior. Dá atenção às tuas emoções e expressa-as. Nunca faças nada para o qual não te sintas confortável. Dinheiro nenhum pode ser mais importante do que manteres o teu bem-estar emocional. Os teus valores não estão à venda. Confia nos teus instintos e nunca trabalhes com ou para ninguém que não dá valor e respeita o teu trabalho. Se não o fazem com o teu trabalho é porque também não o fazem contigo.
  • Se não gostas do teu trabalho, se basta pensares em ires para o trabalho que te sentes mal emocional e fisicamente, então este trabalho não é para ti. Se precisares de ajuda para redefinires o teu percurso profissional, consulta a nossa página sobre Emprego e Formação ou contacta-nos diretamente.

Estimulantes sexuais

Xs trabalhadorXs do sexo recorrem por vezes a estes estimulantes, porque a performance sexual é uma das bases do seu trabalho. Antes de recorrer a estes estimulantes é importante saber quais os efeitos positivos do seu uso, mas também os riscos associados.

Os estimulantes sexuais são muito procurados por pessoas cis e trans, sejam homens ou mulheres. O objetivo é sempre o mesmo, manter a atividade sexual por mais tempo e com maior vigor.

O pénis tal como a vagina, é um órgão vascularizado e depende da saúde circulatória para funcionar corretamente. Uma ereção ocorre por estímulos sexuais físicos ou mentais e resulta no aumento do fluxo sanguíneo no pénis ou no clitóris. É verdade! Na vagina também ocorre uma ereção semelhante à do pénis.

A ereção pode ser condicionada por diversos fatores, e tudo o que cause diminuição de fluxo sanguíneo nas artérias que irrigam o pénis pode causar disfunção erétil:

  • Doenças do foro psicológico.
  • Distúrbios hormonais.
  • Doenças vasculares (diabetes, hipertensão arterial, aterosclerose).
  • Danos no sistema nervoso.
  • Consumo de drogas, álcool ou tabaco.

Se tens problemas de ereção ou precisas de manter uma boa performance sexual, podes usar estimulantes sexuais, mas é importante que fales com umX médicoX para utilizares este tipo de tratamento com eficácia, mas com o mínimo de riscos.

O pénis tal como a vagina, é um órgão vascularizado e depende da saúde circulatória para funcionar corretamente. Uma ereção ocorre por estímulos sexuais físicos ou mentais e resulta no aumento do fluxo sanguíneo no pénis ou no clitóris. É verdade! Na vagina também ocorre uma ereção semelhante à do pénis.

A ereção pode ser condicionada por diversos fatores, e tudo o que cause diminuição de fluxo sanguíneo nas artérias que irrigam o pénis pode causar disfunção erétil:

  • Doenças do foro psicológico.
  • Distúrbios hormonais.
  • Doenças vasculares (diabetes, hipertensão arterial, aterosclerose).
  • Danos no sistema nervoso.
  • Consumo de drogas, álcool ou tabaco.

Se tens problemas de ereção ou precisas de manter uma boa performance sexual, podes usar estimulantes sexuais, mas é importante que fales com umX médicoX para utilizares este tipo de tratamento com eficácia, mas com o mínimo de riscos.

O “comprimido azul”

O medicamento químico mais utilizado para tratar a disfunção erétil é o Viagra e tem como princípio ativo o sildenafil. O sildenafil aumenta a ereção porque tem uma ação vasodilatadora e de relaxamento dos músculos penianos. Este medicamento demora em média 30 a 60 minutos a atuar e tem uma ação até aproximadamente 4 horas.

Em geral, os efeitos secundários associados à toma de sildenafil são:

  • Dor nos músculos.
  • Dor de cabeça.
  • Indigestão e diarreia.
  • Visão dupla ou cegueira temporária.
  • Diminuição da pressão arterial.
  • Congestão/Hemorragia nasal.
  • Insónia.

Quando a dose recomendada é ultrapassada podem ocorrer casos de ereção prolongada que dura mais de 4 horas, acompanhada de batimentos cardíacos rápidos e suores frios.

Em pessoas com doenças cardíacas ou vasculares, ou pessoas que tomam vasodilatadores coronários, este medicamento está desaconselhado por causar efeitos mais severos.

O uso de Viagra e outros medicamentos similares ainda não está aconselhado a mulheres cis, apesar de alguns estudos mais recentes revelarem que a sildenafil pode melhorar disfunções sexuais femininas, como a falta de excitação, e a dificuldade em atingir orgasmos.

Estimulantes sexuais naturais

Existem no mercado várias misturas de compostos naturais que podem melhorar o teu desempenho sexual, mas estes medicamentos podem conter vestígios de compostos como os que existem no Viagra.

Deixamos aqui alguns exemplos de substâncias naturais que podem melhorar ao teu desempenho sexual com menos riscos.

Maca peruana – tem um efeito vasodilatador e melhora a circulação sanguínea na zona pélvica.

Ginseng – facilita a ereção e aumenta a libido. Esta raiz aumenta a dilatação dos vasos sanguíneos e a circulação contribuindo para reduzir os sintomas de impotência sexual.

Tribulus terrestris – tem um efeito vasodilatador e contribui para uma ereção mais longa e duradoura. É também uma alternativa natural para aumentar a libido em ambos os sexos porque contribui para a produção de testosterona.

Exercícios pélvicos

Porque é que exercitamos todo o nosso corpo exceto os órgãos sexuais? Estes órgãos são compostos por músculos que podem ser trabalhados, aumentados e fortalecidos de igual forma.

Os exercícios pélvicos, conhecidos como exercícios de Kegel, são bons para melhorar a qualidade da relação sexual, tanto em homens como em mulheres.

Para teres consciência da localização do músculo pélvico faz o seguinte teste:

  • Ao urinar retém a urina durante cerca de 10 segundos. Repete 3 vezes. Os músculos que usas para travar a saída de urina são os mesmos que deves contrair nos exercícios.

Para exercitar estes músculos deves fazer repetições de contrações do músculo pélvico cerca de 30 vezes. Podes alternar séries lentas com sequências aceleradas. O importante é que alternes a contração com o relaxamento. Repete durante 5 a 10 minutos por dia.

Os músculos penianos também podem ser exercitados ao praticar o adiamento do orgasmo durante a masturbação. Estas técnicas não curam a disfunção erétil, mas podem complementar o uso de estimulantes.

Hormonas

As pessoas trans, conhecem bem o mundo dos tratamentos hormonais e devem ter acesso a informações claras sobre os benefícios e os riscos associados à automedicação com elevadas doses hormonais.

Com os tratamentos hormonais tanto os homens como as mulheres trans conseguem obter a aparência que consideram ser mais adequada ao seu género. Em Portugal podes aceder a consultas para mudança de sexo em Clínicas Privadas ou através do Sistema Nacional de Saúde, onde o processo pode ser mais demorado, mas é gratuito.

As hormonas afetam a vida sexual?

O estrogénio e a testosterona são hormonas sexuais que regulam as características sexuais, mas também atuam ao nível psicológico. A testosterona aumenta a libido, e a vontade de ter relações sexuais será maior e a experiência mais intensa. Se és mulher trans e trabalhadora do sexo, a toma de estrogénios pode trazer-te complicações, porque diminui a intensidade da ereção e diminui o tamanho do pénis. Também podes ficar mais suscetível a descargas emocionais, choros e ter outros sentimentos mais amplificados. Evita tomar doses elevadas de estrogénio com estimulantes sexuais porque podem causar distúrbios hepáticos. Se és mulher trans a toma de estrogénio pode causar as seguintes alterações:
  • Aumento da gordura corporal.
  • Diminuição da massa muscular.
  • Enfraquecimento dos pelos faciais e corporais.
  • Diminuição da perda de cabelo.
  • Diminuição do tamanho do pénis e dos testículos.
  • Diminuição da ereção.
  • Aumento dos seios e da sensibilidade mamária.
O estrogénio pode ser tomado pela via injetável, pela via transdérmica através de adesivos ou pela via oral. Os principais efeitos colaterais associados ao uso desta hormona incluem:
  • Trombose.
  • Embolia pulmonar (bloqueio de um vaso sanguíneo nos pulmões).
  • Alteração da função hepática.
De forma geral podemos dizer que a testosterona nos homens trans tem os seguintes efeitos:
  • Crescimento dos pelos da faciais e do corpo.
  • Aumento da massa muscular.
  • Perda de cabelo.
  • Aumento do tamanho do clitóris.
  • Aumento da libido.
  • Perda de menstruação.
  • Aumento da acne.
Os suplementos de testosterona podem ser tomados pela via injetável, pela via transdérmica através de adesivos ou gel, ou pela via oral. Os principais efeitos colaterais associados ao uso desta hormona incluem:
  • Hipertensão arterial.
  • Aumento do risco de enfarte agudo do miocárdio.
  • Aumento do risco de cancro da próstata.
  • Hepatite medicamentosa.
  • Atrofia testicular.
A toma de esteroides para tonificar o corpo, também pode trazer alguns problemas. Os esteroides podem causar:
  • Aumento de colesterol.
  • Distúrbios intestinais.
  • Diminuição dos genitais.
  • Problemas hepáticos, reais e cardíacos.
  • Dificuldade em dormir.
  • Perda de cabelo.
  • Irritabilidade extrema.
  • Depressão.
A injeção de qualquer material deve ser feita por pessoal especializado e com material esterilizado e dentro do prazo. Não partilhes material injetável porque existe o risco de infeção por VIH, hepatite C e B. Existem consultas no Hospital Júlio de Matos e no Hospital de Santa Maria em Lisboa, no Serviço de Psiquiatria dos Hospitais de Coimbra, e no Porto no Hospital de São João, no Hospital de Santo António ou no Hospital de Magalhães Lemos. Descobre no nosso mapa quais as associações que te podem ajudar.

Trabalhar com o período

Durante o período menstrual pode ser difícil trabalhar em qualquer indústria, mas como trabalhadorX do sexo esta altura do mês pode ser especialmente complicada porque para além das dores existe a necessidade de ocultar a perda de sangue, evitar sujar a cama e lençóis.

Descobre como podes ultrapassar estes problemas.

Adapta o teu ritmo de trabalho

Como trabalhadorX do sexo, se tens períodos muito dolorosos e com elevadas perdas de sangue o ideal é parares de trabalhar durante uns dias, mas nem sempre é possível. Sem apoios sociais nem todXs Xs trabalhadorXs podem parar de trabalhar uma semana por mês. Para contornar esta situação podes tentar adaptar o teu ritmo de trabalho e fazer menos marcações para que esta fase seja o mais confortável possível. Podes também marcar programas que não incluam sexo vaginal. É sempre importante respeitares o teu corpo e mente e manteres a tua saúde.

Como ocultar perdas de sangue?

Um dos métodos mais comuns para evitar perdas de sangue durante a relação sexual é o uso de esponjas. A alternativa pode ser o uso do diafragma. Este é um método menos comum, mas com menos riscos e que pode até ser mais eficaz.

Esponjas

Uma das formas mais utilizadas para conter o fluxo sanguíneo é o uso de esponjas que podem ser inseridas na vagina antes do programa com umX cliente. Desta forma o sangue é absorvido e praticamente indetetável. Evita o uso de esponjas de limpeza do corpo ou de limpeza da casa, porque não são seguras e podem causar infeções graves. Existem esponjas de diferentes marcas, formas e tamanhos, mas o mais importante é que sejam vendidas de forma estéril e de preferência que contenham alguma lubrificação. Sempre que possível tenta ter alguns cuidados no uso da esponja. Nomeadamente:
  • Usa uma esponja por turno ou dia de trabalho.
  • Lava sempre as mãos antes e depois de colocar a esponja.
  • Se a esponja não for lubrificada, molha-a ou coloca algum lubrificante. Retira depois o excesso de líquido.
  • Insere a esponja de cócoras ou sentada.
  • Quando atenderes um cliente, deves no final, retirar a esponja. Podes usar 1 ou 2 dedos tendo o cuidado de não arranhar as paredes vaginais com as unhas.
  • Lava muito bem com água corrente e depois espreme para eliminar qualquer líquido. A maioria das esponjas pode ser reutilizada até 8 horas no máximo.
  • Se tiveres outro cliente, insere a esponja antes de ele chegar.
  • Se o preservativo rebentar, segue os passos necessários para reduzir os riscos de uma infeção e substitui a esponja.
Este método pode trazer alguns riscos. As esponjas têm como função absorver o sangue menstrual, mas acabam por absorver a humidade natural da vagina que se torna mais seca e sensível aumentando o risco de irritação. A secura vaginal pode também levar a que o preservativo rebente ou estoure. Para reduzir este risco e tornar a relação mais confortável, deves aumentar o uso de lubrificante durante esta fase, reaplicando sempre que necessário.
Como retirar a esponja
A esponja pode ser difícil de retirar, porque após a relação sexual há tendência para que esta seja empurrada mais para cima. Costumas ter dificuldade em retirar a esponja? Experimenta estas dicas:
  • Primeiro mantém a calma e respira fundo, quanto mais tensa estiveres mais apertados ficarão os músculos vaginais.
  • De cócoras no chão ou na sanita relaxa as costas e inclina-as suavemente para trás. Nesta posição empurra a pélvis para a frente. Desta forma o canal da vagina fica mais direito em vez de curvado. Empurra o tronco para a frente e faz força com os músculos pélvicos para expulsar a esponja.
  • Se não resultar retira a esponja em várias posições diferentes, com uma perna para cima, ou com o tronco mais para a frente.
  • Caso não resulte, tenta relaxar numa banheira com água, isto faz com que a esponja absorva água ficando mais pesada. Com alguma ajuda da gravidade e fazendo força com os músculos pélvicos, a esponja acabará por sair. Se não tens uma banheira, tenta fazer o mesmo num bidé ou numa bacia. Evita inserir o chuveiro na vagina porque pode causar feridas e infeções.
Se mesmo tentando estas técnicas a esponja não sair, deves recorrer a um serviço de urgência para que seja retirada por umX ginecologista. Manter a esponja no interior da vagina por longas horas ou dias, aumenta o risco de infeções ou até de síndrome de choque tóxico. A síndrome de choque tóxico é um grupo de sintomas graves e que evoluem rapidamente, que inclui febre, erupção cutânea, pressão arterial muito baixa e insuficiência de vários órgãos. É causada por toxinas produzidas por bactérias. Usar tampões ou outros absorventes íntimos ou ter uma infecção causada por Staphylococcus aureus ou estreptococos do grupo A aumenta o risco de síndrome de choque tóxico.

Diafragma

O diafragma é um método anticoncecional de barreira, não hormonal, que consiste num disco de silicone que se introduz no canal vaginal de forma a cobrir o colo do útero. Este pequeno disco pode ser adaptado para que consigas reter o fluxo menstrual enquanto trabalhas. Contacta X tua/teu ginecologista para adquirires o diafragma e perceber qual o tamanho que melhor se adapta a ti. Com a prática vais conhecendo melhor o teu corpo e será cada vez mais fácil introduzir e retirar o diafragma. Esta opção é mais segura do que as esponja porque:
  • Não absorve os fluidos naturais da vagina e por isso causa menos irritação e infeções.
  • Não fica preso no interior da vagina e é mais fácil de retirar quando apanhas o jeito.
Tal como a esponja, deves inserir o diafragma antes da relação sexual e retirar logo após para que o sangue não fique retido no útero. Após cada utilização deve ser limpo com água e sabão e guardado na caixinha de transporte. O diafragma pode durar até 3 anos.

Outras estratégias

Muitas trabalhadoras tentam usar durante o período menstrual, preservativos de cor preta ou vermelha para esconder melhor qualquer perda de sangue. Quando o cliente retira o pénis deves utilizar um lenço de papel ou toalhete para limpar rapidamente qualquer sangue que tenha escapado. O uso do preservativo interno também pode ser uma boa alternativa, uma vez que funciona um pouco como um tampão ao impedir que o sangue desça. Deves apenas ter em mente que ao tirares o preservativo interno ele deixa de conter o sangue, por isso deves estar num local onde possas fazer a tua higiene. Uma forma de não menstruar consiste na toma continua de contracetivos hormonais como a pílula, anel ou adesivo. Este método é eficaz se o objetivo for interromper a menstruação por períodos de poucos meses. As pílulas utilizadas devem ser monofásicas caso contrário, alguns comprimidos podem não ter estrogénio ou progesterona e isso pode levar a perdas de sangue. Em qualquer dos casos deve ser feita uma avaliação dos riscos, para perceber qual é a melhor opção.

Trabalhar sobre o efeito de drogas

O uso de álcool ou outras drogas tem efeito no nosso comportamento e, por isso, se aconselha que Xs trabalhadorXs do sexo não o façam nas horas de trabalho. No entanto, sabemos também que muitXs trabalhadorXs do sexo optam por fazê-lo para não perderem dinheiro com certos clientes. Por isso mesmo, consideramos importante deixar-te algumas dicas relativamente ao consumo de certas substâncias. Se necessitares de mais informações acerca disto não hesites em contactar-nos.

Alguns riscos do consumo de álcool e outras drogas no teu trabalho

Tal como as outras pessoas, e por diferentes razões, alguns/algumas trabalhadorXs do sexo também usam álcool e outras drogas. O importante é que saibas os riscos do consumo durante o teu trabalho:

Diminuir os riscos do uso de álcool e outras drogas no teu trabalho

Há sempre algumas estratégias que podes adotar para diminuíres os riscos dos teus consumos no trabalho:
  • Coloca o mínimo possível de bebida alcoólica e mais sumo, caso sejas tu a preparar.
  • Certifica-te de que estás a beber de uma garrafa que estava fechada ou de que estás a beber a mesma substância que X cliente, caso seja elX a preparar.
  • Não mistures bebidas alcoólicas diferentes ou outras drogas, porque normalmente aumentam o efeito umas das outras.
  • Não partilhes material de consumo de outras drogas, porque pode ser uma forma de transmissão de infeções como o VIH, as hepatites, entre outras.
  • Monitoriza os teus consumos para perceberes se estão a crescer de dia para dia. No caso de sentires que os teus consumos estão a tornar-se bastante recorrentes e/ou problemáticos, não hesites em contactar-nos.
  • Se estiveres demasiado embriagadX ou sob o efeito forte de outra substância pára o trabalho até te sentires melhor.
Algumas dicas são mais direcionadas para as diferentes substâncias em específico e é isso que te iremos explicar nos seguintes pontos.

Consumir álcool com menos riscos

  • Alimenta-te bem quando sabes que vais beber.
  • Durante o consumo tenta alternar o álcool com água ou outras bebidas softs e hidratantes.
  • Tenta não misturar diferentes tipos de bebidas.
  • Tenta não misturar álcool com outros tipos de substâncias, sejam elas depressoras como o haxixe ou a canábis, ou sejam elas estimulantes como a cocaína ou estimulantes sexuais.
  • Tenta não misturar álcool com antidepressivos ou ansiolíticos.

Consumir cocaína com menos riscos

  • Tenta certificar-te de que estás realmente a consumir cocaína, porque a alteração desta substância é muito comum, muitas vezes com adulterantes tóxicos e perigosos.
  • Se snifares tenta alternar entre as duas narinas, porque o snife danifica as tuas mucosas nasais.
  • Depois de snifares lava bem as narinas.
  • Doses grandes e muito repetidas podem provocar ataques cardíacos, derrames ou convulsões.
  • Evita usar se tens problemas do foro cardiovascular.
  • Evita misturar com álcool ou outras drogas.
  • Usa sempre o teu material de consumo. Ao partilhares tubos de snife ficas vulnerável à transmissão de infeções como o VIH, hepatites, e outras.

Consumir GBH com menos riscos

  • Usa uma seringa ou uma colher para medires as doses que consomes, para não correres o risco de uma overdose. Começa com uma dose pequena e espera pelo menos duas horas para a próxima.
  • Evita misturar GHB com outras substâncias depressoras, como o álcool, a heroína ou outros opiáceos e ansiolíticos. Esta mistura pode ser fatal.