Infeções Sexualmente Transmissíveis

Hepatite

Índice

O fígado é um órgão muito importante com diversas funções vitais, atuando na eliminação de toxinas, na produção de colesterol e triglicerídeos, na digestão de gorduras, na regulação da coagulação sanguínea e também na produção de proteínas.

Apesar de ter uma grande capacidade de regeneração, o fígado pode ser afetado por diversas doenças, tais como a hepatite (viral ou tóxica), fígado gordo (esteatose hepática) ou cirrose.

O que é a hepatite?

A hepatite é uma inflamação do fígado, que pode ser causada por vírus ou substâncias tóxicas, como o álcool em excesso, drogas recreativas e o uso prolongado de certos medicamentos.

Os vírus que podem causar infeção hepática são os das hepatites A, B, C, D, E e G.

As hepatites B, C, D e A podem ser transmitidas pela via sexual.

Algumas doenças autoimunes e a obesidade podem também causar hepatite.

Sintomas de hepatite

Os principais sintomas de hepatite incluem:

  • Enjoos
  • Perda de apetite
  • Náuseas e vómitos
  • Diarreia
  • Urina escura e fezes claras
  • Olhos e pele amarelados (icterícia)
  • Dores de cabeça
  • Cansaço

A gravidade da doença é muito variável e depende da causa, mas uma inflamação do fígado pode tornar-se crónica e evoluir para complicações mais graves como cirrose e insuficiência hepática. 

Por esta razão, um diagnóstico de hepatite deve sempre ser acompanhado por umX médicX para que a doença seja devidamente tratada. 

Algumas hepatites resolvem-se com repouso e alimentação adequada, outras necessitam de tratamentos complexos que permitam controlar a sua evolução. 

Nos casos das hepatites B e A, é possível fazer a profilaxia (vacina da hepatite) em pessoas que tenham muitos contactos de risco e independentemente da idade.

Caso tenhas tido um contacto de risco que inclua relações sexuais desprotegidas, atos sexuais em que o preservativo rebentou, partilha de agulhas ou material para piercing e tatuagem não esterilizado, é importante realizar o rastreio às hepatites, principalmente se surgir algum dos sintomas típicos de hepatite, entre 15 a 45 dias após o contacto.

Índice

Hepatite B

A hepatite B é causada pelo Vírus da Hepatite B (VHB) e transmite-se através da via sexual quando há troca de sangue, sémen ou outros fluidos infetados.

As pessoas infetadas pelo VHB podem contrair doença aguda ou crónica.

Os doentes crónicos deste vírus podem transmitir a doença a outrXs e desenvolver doença hepática grave como tumor maligno do fígado.

As mães infetadas com o VHB podem transmitir a infeção ao/à filhX.

Quais os sintomas da hepatite B?

Os sintomas da doença aguda podem surgir até 90 dias após a infeção e incluem:

  • Febre;
  • Fadiga;
  • Perda de apetite;
  • Vómitos e náuseas;
  • Dor abdominal;
  • Urina escura e fezes claras;
  • Icterícia.

Estes sintomas podem ser moderados ou fortes e, em alguns casos, pode ocorrer hepatite fulminante com insuficiência hepática e falência do funcionamento do fígado.

Muitas pessoas conseguem resolver a infeção nesta fase naturalmente, outras desenvolvem doença crónica, cirrose ou cancro do fígado.

Como podes ser infetadX pela hepatite B?

Como já referimos, a transmissão desta hepatite ocorre principalmente pela via sexual e quando há troca de fluidos infetados.

Podes apanhar hepatite B através de:

  • Relações sexuais desprotegidas;
  • Partilha de agulhas não esterilizadas ou outro equipamento para consumo de drogas, medicamentos, hormonas e tatuagens;
  • Contacto com sangue infetado;
  • Partilha de certos objetos pessoais que possam conter sangue (escova de dentes e lâminas de barbear);
  • De mãe para filho durante o parto (normal ou cesariana).

A hepatite B não é transmitida através de:

  • Partilha de comida;
  • Água;
  • Partilha de talheres;
  • Amamentação;
  • Beijo ou abraço;
  • Tosse ou espirro.

Vacina contra hepatite B

A vacina contra a hepatite B é bastante eficaz (entre 80% a 100%) na prevenção.

Esta entrou no Plano Nacional de Vacinação de forma universal em 1995. Desde essa altura, todos os bebés recebem a primeira dose da vacina quando nascem e, depois, aos 2 e 6 meses de idade, num esquema de 3 doses. Quando tomada na infância, esta vacina tem uma taxa de eficácia elevada (de 95 a 99%).

Todos os adolescentes que ainda não tenham feito a vacinação, devem iniciar o esquema vacinal o quanto antes, cumprindo o mesmo sistema de 0, 2 e 6 meses após a primeira dose.

A vacina contra a hepatite B é recomendada e gratuita também para alguns grupos de risco, tais como:

  • Profissionais de saúde;
  • Pessoas hemodialisadas;
  • Hemofílicos;
  • Pessoas que moram com portadores de hepatite B;
  • Estudantes e docentes de Faculdades de Medicina e Medicina Dentária, Enfermagem e Tecnologias da Saúde.

Para evitar a hepatite B, para além da vacina, deves ter os seguintes cuidados:

  • Usar o preservativo em todas as práticas sexuais;
  • Evitar o contacto com sangue ou outros fluidos corporais;
  • Praticar sempre sexo seguro;
  • Utilizar apenas agulhas esterilizadas e descartáveis (seja no consumo de substâncias ou em tratamentos estéticos);
  • Evitar a partilha de escovas de dentes, lâminas de barbear e/ou outros objetos perfurantes ou cortantes (como os utilizados na manicura ou outros procedimentos estéticos);
  • Fazer tatuagens, piercings ou acupuntura apenas com material descartável ou devidamente esterilizado.

Como tratar a hepatite B?

O tratamento para a hepatite B depende do tempo de infeção e deve ser sempre acompanhado por vigilância médica.

As infeções agudas podem não necessitar de tratamento específico e o sistema imunitário consegue controlar a infeção, eliminando o vírus em cerca de 6 meses. A medicação deve ser administrada quando há sintomas de forma a diminuir a sua gravidade e impacto na vida do doente.

Nas infeções crónicas, a pessoa infetada é medicada com antivirais de forma a controlar a infeção. Esta medicação não cura a infeção, mas reduz as lesões no fígado e diminui as complicações que decorrem da mesma.

A profilaxia pós-exposição é uma medicação que atua como a PPE, isto é, deve ser tomada após um contacto de risco para evitar a infeção por VHB.

Esta profilaxia é mais eficaz nas primeiras 12 horas após a infeção e consiste em duas etapas:

  1. Administrar a imunoglobulina endovenosa de forma a estimular a produção de anticorpos anti VHB;
  2. Iniciar o esquema de vacinação (3 tomas) nas pessoas não vacinadas.

Hepatite C

A hepatite C é causada pelo Vírus da Hepatite C (VHC). Esta infeção pode ser transmitida pela via sexual, no entanto esta não é a via preferencial, exceto no caso de relações anais (que têm maior risco de transmissão) e em pessoas portadoras de HIV

O maior risco de transmissão ocorre em situações em que há entrada de sangue diretamente no organismo, como acontece na partilha de material não esterilizado para consumo de drogas injetáveis.

O risco de transmissão de mãe para filhX durante a gravidez é bastante baixo (cerca de 6%) e a amamentação, por norma, é segura, uma vez que, para existir transmissão do vírus, teria de haver troca direta de sangue através de cortes no mamilo e na boca da criança.

Por ser uma doença frequentemente assintomática, muitas pessoas desconhecem que estão infetadas e que são transmissoras do vírus.

Para saber se estás infetadX pelo vírus da hepatite C, deves fazer o teste caso tenhas tido algum comportamento de risco e/ou surjam sintomas característicos da infeção.

O principal exame para diagnóstico da hepatite C é a pesquisa de anticorpos contra o vírus VHC, o anti-VHC. Para se chegar a um diagnóstico definitivo, devem ser feitos exames complementares em meio hospitalar.

Podes fazer o teste em vários locais como centros de saúde, farmácias ou laboratórios, mas muitas pessoas preferem realizá-lo nas diferentes entidades não governamentais e associações. Pesquisa as que se encontram na tua localidade utilizando o nosso mapeamento.

Quais os sintomas da hepatite C?

Os sintomas são muitas vezes leves e inespecíficos e, por essa razão, as pessoas em risco devem fazer o teste, porque podem estar infetadas e transmitir a doença sem sequer se aperceberem.

A infeção pode ser aguda e surgir entre duas a 12 semanas após a infeção. Os sintomas são geralmente leves e incluem:

  • Fadiga;
  • Náusea, vómitos;
  • Febre;
  • Dores nos músculos ou articulações;
  • Perda de apetite;
  • Perda de peso;
  • Icterícia;
  • Urina escura e fezes claras.

A infeção crónica é a mais comum e define-se pela replicação ativa do vírus durante, pelo menos, 6 meses. Os sintomas podem ser leves e pouco específicos durante os primeiros anos.

A hepatite crónica é associada a:

  • Fadiga extrema;
  • Problemas cognitivos ligeiros.

Quando não é tratada, a hepatite C pode resultar em cirrose e cancro do fígado.

Como podes ser infetadX pela hepatite C?

Estás em risco de ser infetadX pela hepatite C se:

  • Partilhaste material para consumo de drogas injetáveis;
  • Tens ou tiveste relações sexuais desprotegidas;
  • Fizeste alguma tatuagem com material não esterilizado;
  • Usaste objetos pessoais de outras pessoas que possam conter sangue (escovas de dentes, lâminas de barbear, material de manicura e pedicura).

O VHC pode ser transmitido de mãe para filhX durante a gravidez ou parto.

Como prevenir?

O vírus da hepatite C possui muitas variações e mutações chamadas de subtipos ou genótipos – por esta razão, não existe vacina para a hepatite C, acabando a prevenção por ser a de evitar o contacto com sangue infetado.

A partilha de agulhas e seringas contaminadas é ainda a principal via de infeção.

O que deves evitar:

  • Consumo de substâncias injetáveis com material não esterilizado;
  • Partilha de escovas de dentes, lâminas e outros objetos que possam conter sangue;
  • Fazer tatuagens e piercings com material estéril;
  • Praticar sexo sem proteção.

Como tratar a hepatite C?

Já existe cura para a hepatite C. Cerca de 90% dos casos de hepatite crónica desaparecem com o tratamento, que é feito com uma combinação de medicamentos antivirais que são tomados sob vigilância durante o tempo estipulado pelX médicX, que pode durar várias semanas.

Quando os efeitos colaterais do tratamento são muito severos, pode haver necessidade de suspender o tratamento.

Nos casos em que não ocorre a cura total, o tratamento permite, pelo menos, diminuir a severidade dos sintomas e evitar a doença hepática grave. Quando a doença danifica de forma extensa o fígado, causando cirrose, X paciente pode ter de recorrer a um transplante de fígado.

As pessoas infetadas com VHC devem evitar o álcool e medicamentos tóxicos para o fígado, para potenciar a cura e evitar mais danos.

Hepatite A

A hepatite A é uma infeção viral, causada pelo VHA, um vírus do qual existem sete genótipos. 

Este vírus é particularmente resistente ao calor e tem a capacidade de se manter infeccioso após meses à temperatura ambiente e por 30 minutos à temperatura de 60ºC.

Sendo um vírus cuja principal forma de transmissão é a oral-fecal, estas características fazem que com seja importante uma correta esterilização de certos alimentos e água – por exemplo, pela ação de raios UV, formaldeído ou cloro. 

O tempo médio de incubação vai de 15 a 50 dias. 

Como podes ser infetadX?

O VHA entra no organismo primeiramente pela boca, podendo a infeção ocorrer através de:

  • Relação sexual em que há contacto desprotegido ânus-boca; 
  • Consumo de alimentos e água contaminados, principalmente em locais em que o saneamento básico é precário. 

Após a entrada pela boca e desenvolvimento no fígado, o vírus é excretado pelas fezes do indivíduo infetado, mesmo que este não apresente sintomas. 

Quais os sintomas da hepatite A?

A infeção por VHA pode ser assintomática ou, pelo contrário, provocar sintomas graves, tais como:

  • Febre;
  • Mal-estar geral;
  • Náuseas e vómitos;
  • Dor abdominal;
  • Falta de apetite;
  • Urina escura;
  • Icterícia.

Vacina hepatite A

A vacinação contra a hepatite A não está incluída no Plano Nacional de Vacinação, mas, no entanto, é aconselhada a pessoas que se desloquem para locais endémicos em que a prevalência da doença é elevada ou em que o saneamento básico é precário. Também se recomenda a pessoas com práticas sexuais anal-retal desprotegidas.

Para além da vacinação, é aconselhado:

  • Manter a higiene pessoal, familiar e doméstica;
  • Higienização de alimentos suscetíveis;
  • Lavagem frequente das mãos, da região perianal e genital antes e após o contacto sexual.